segunda-feira, 31 de outubro de 2016

ACMA - Survival Guide para um Interrail | Entrevista


Hoje venho fazer um post completamente diferente daquilo que já fiz aqui no blog. Grande parte dessa diferença é porque esta publicação se trata de uma participação no projeto "ACMA - A Cultura Mora Aqui". Mal vi este desafio a ser lançado, quis logo participar porque me identifiquei muito com o objetivo do mesmo: trazer mais cultura e diversidade para a blogsfera, numa tentativa de fugir aos usuais posts de moda/beleza. 
O tema deste mês é VIAGENS e tenho a certeza que já viram posts espalhados por ai sobre o projeto (somos bastantes envolvidas eheh). 

Já queria falar sobre a experiência de fazer um interrail há imenso tempo e quando surgiu esta oportunidade soube soube que esse seria o meu tema. 
Infelizmente nunca fiz um interrail mas uma pessoa muito próxima de mim fez um o verão passado e ele contou-nos a sua experiência todinha.
Querem saber mais?


Qual foi a tua motivação para fazer um interrail?
"O conceito de interrail sempre foi algo que me fascinou, que eu desejava fazer já desde do secundário, porque te dá a oportunidade de viajar pela Europa com alguns dos teus amigos mais próximos e de conhecer locais que provavelmente de outra forma não terias oportunidade de conhecer. E também era uma ótima forma de testar a minha capacidade de adaptação a diferentes culturas, línguas e costumes, na minha opinião viajar não é só conheceres os principais monumentos e tirar as obrigatórias fotos mas também conhecer as partes menos turísticas, a gastronomia, a cultura, a língua, porque é através disso que vais realmente compreender e valorizar esse país. Através do interrail é uma maneira perfeita para o fazeres, porque te permite conhecer pessoas de diversos países e muitas delas também estão a fazer o seu interrail e de certa forma durante esta viagem acabas sempre por trocar o conforto pelas experiências e convívio que se viajasses de avião provavelmente não aconteceria e a tua visão acerca destes locais seria sempre diferente, porque quando viajas de comboio conheces não só os locais onde paras mas um pouco de tudo o resto que tens oportunidade de presenciar durante as viagens de comboio."

 
 - Como é que te preparaste para a viagem?

"Um interrail requer grande preparação. O primeiro passo é reunires alguns dos teus amigos mais próximos e definirem uma possível rota que gostariam de fazer, bem como a duração do interrail, que pode variar entre uma semana e um mês. Com mais de três meses de antecedência comprei o interrail pass, através do site eurrail. Como planeei uma viagem de 35 dias comprei o pass de um mês. Em 5 dias recebes o pass com um código que podes usar para fazer as reservas online e podes começar a fazer as reservas dos comboios que de acordo com a tua rota e com os horários que pretendes. Podes ter comboios: com reserva obrigatória, por exemplo os comboios noturnos, ou comboios com reserva aconselhável que, apesar de a reserva não ser obrigatória, é aconselhável para evitar problemas durante as viagens como controlos de segurança, falta de lugares vagos num comboio que podem impedir-te de viajar. Com as datas já definidas é só fazeres as reservas dos locais onde pretendem passar a noite e estão pronto para começar."







 - O que é que não pode faltar mesmo na mochila?

"Ao preparem a mochila tentem levar apenas o essencial, eu sei que é muito tempo e temos sempre tendência a levar coisas a mais porque pensamos que mais vale prevenir e estar preparados para tudo. Mas acreditem, vão ter que carregar a vossa mochila durante muitas horas e, embora no início possa parecer fácil, com os dias de viagem a acumularem-se tornar-se cada vez mais uma tarefa árdua. Pensem que a maior parte dos hostels e/ou pensões já têm máquinas onde podem lavar a vossa roupa, por isso não têm necessidade de levar roupa para toda a viagem e têm sempre supermercados onde podem comprar quase tudo o que precisarem. Algo que talvez seja importante levarem é uma espécie de kit de primeiros socorros com os medicamentos mais básicos, para o caso de ficarem doentes a certo momento e não ter acesso aos medicamentos e a última coisa que querem é uma ida ao hospital, a estragar a vossa viagem."
 


- Quais eram os teus principais receios quando embarcaste no avião?
"No meu caso como foi uma viagem de 35 dias, tinha receio de ficar cansado de viajar, de visitar cidades, monumentos. Também tinha algum receio em relação às estadias, porque nunca sabemos exatamente aquilo que nos espera e existem sempre casos de fraudes em reservas de alojamento. Além disso, o facto de ir para países menos turísticos que poderiam estar mais propensos a que tal acontecesse deixava me um pouco inquieto. No entanto, usei sempre sites confiáveis para fazer as reservas e portanto nunca tive nenhum desses problemas durante a minha viagem. Outro dos meus receios era de certa forma ficar saturado dos meus amigos durante a viagem, já que são condições especiais no sentido em que acabam por partilhar cada minuto e segundo de cada dia durante mais de um mês."
 

- Qual foi o sitio que mais gostaste de visitar?

"Eleger um só local é extremamente difícil, já que a rota que eu tinha definida era extremamente diversificada, não só em questão de atividades como de países e paisagens. Considerando as praias diria que dos locais que visitei na Grécia foi onde encontrei melhores praias, sendo normalmente pouco turísticas e com água extremamente quente e cristalina. Se tivesse de eleger a melhor cidade para sair à noite nesse caso Budapeste foi a que me fascinou, a cidade transforma-se durante noite, tem imenso bares e discotecas, extremamente multicultural podes conhecer pessoas de qualquer parte do globo e ainda relativamente barato comparado com a média europeia. Se têm interesse em paisagens naturais então Plitvice lakes na Croácia é uma passagem obrigatória, um dos locais mais bonitos que já tive a oportunidade de conhecer."



-O que te aconteceu de mais surpreendente durante a viagem?

"Uma viagem destas tem sempre algumas historias engraçadas para recordar e pode acontecer-te o mais surpreendente. Por exemplo, seres expulso da tua cama a meio da noite devido a um erro em que te atribuíram uma cama que já estava ocupada. Ou quase seres multado na Roménia porque ninguém falava inglês e tu não sabias como validar o bilhete de autocarro. Ou experimentares um prato típico em Bratislava tão salgado que até os empregados de mesa se riam de ti. Ou partilhares um cabide do comboio com 6 pessoas, com 40ºC e durante 8 horas. Mas no final acabas por te recordar destes momentos e acha-los extremamente engraçados."




 - Que conselho darias a alguém que estivesse prestes a fazer um interrail?

"Organizem as estadias e viagens com antecedência para que a vossa viagem corra o mais perto do planeado possível. No entanto, de certeza que vão encontrar alguns contratempos pelo caminho, tentem manter-se calmos e aproveitar ao máximo porque até os contratempos fazem parte da experiência. Também vos aconselharia antes de partir a fazer uma pesquisa de restaurantes, cafés e bares a visitar que estejam dentro do vosso orçamento claro, porque durante a viagem não vão ter muito tempo para isso e podem acabar por ir ao primeiro local que encontram ou ao mcdonald’s perdendo a oportunidade não só conhecer os locais típicos da região, assim como a gastronomia."

- Descreve a experiência numa palavra

"Obrigatória"

Fazer um interrail ainda me soa a sonho mas eu sei que um dia vou conseguir viajar pela Europa de comboio. Quero agradecer muito muito muito ao Pedro porque ter dado estas respostas magnificas (sem ele este post não é possível) e a toda a gente do projeto ACMA pela excelente iniciativa que tiveram e pela maneira como me acolheram desde logo.

Pssst, queres ver mais posts sobre este projeto? Dá uma espreitadela aqui em baixo que não te vais arrepender... 

- Lista de blogs-

- convidados -  
 
© Uma colher de arroz
Maira Gall