quarta-feira, 26 de julho de 2017

SISTEMA INVERTIDO DA TRESEMMÉ | FUNCIONA MESMO?!?

Quando vos trouxe o haul de produtos de cabelo que tinha comprado (aqui) muitos de vocês ficaram curiosos com estes dois produtos: o sistema invertido da TRESemmé.
Será que funciona? Faz o que é suposto? Não deixa o cabelo desidratado?
Eu disse-vos que trazia uma review assim que tivesse uma opinião formada àcerca deles por isso aqui estou eu, um mês depois!!


O conceito
A TRESemé decidiu trocar a ordem de aplicação dos produtos: primeiro o condicionador e depois o champô.
"Usar um condicionador após o champô pode deixar o cabelo pesado. É por isso que o sistema Invertido Iresistable Volume se inicia com um condicionador de pré-lavagem. Aplique-o antes do champô e sinta a suavidade de um cabelo volumoso e com movimento.
Com agentes de volume de Fleximaxe e complexo de polimento capilar, a fórmula prepara o cabelo para um volume cheio de movimento, alisando a cutícula e protegendo-o durante a lavagem.
 Formulado com agentes de Volume Fleximax, o champô ajuda a controlar a eletricidade estática, ao mesmo tempo que confere volume e prepara o cabelo para o styling."


A minha opinião
Em primeiro lugar devo dizer que foi extremamente difícil, nas primeiras vezes, lembrar-me de pôr primeiro o amaciador e só depois o champô, de tão habituada estar a fazer o processo inverso. Mas à quinta aplicação lá comecei a acertar...
Acho que os produtos fazem exatamente o que dizem: sinto o cabelo com mais volume e continua igualmente hidratado. Estão a ver quando saem do banho e o vosso cabelo está super pesado, quase parece que não tiraram bem o produto do cabelo apesar de terem passado a cabeça por água umas cinco vezes? Com esta gama isso não acontece. Quando saio do banho até parece que o cabelo está um pouco "áspero" mas assim que começa a secar fica super leve e brilhante.

Gostei muito destes produtos e vou sem dúvida continuar a usar. Fazem exatamente aquilo que prometem, sendo que o efeito que foi mais proeminente, pelo menos para ti, foi a leveza do cabelo depois de seco.

Classificação: 8/10

*este post não é patrocinado*

domingo, 23 de julho de 2017

QUE CURSO ESCOLHER? | #4 GESTÃO

E chegamos à quarta edição!! Antes de mais, muito obrigada por todo o fedback positivo que tenho recebido nestes posts, estou muito feliz. Espero que esteja a servir para vos dar uma ideia mais concreta dos cursos superiores com os quais andam a sonhar. Só vou conseguir cobrir uma parcela minúscula de todas as opções que existem e, desde já peço desculpa por isso mas, como devem calcular, é impossível falar de todos os cursos...

Hoje, a Diana vem falar-nos acerca do seu curso: gestão (ela também tem um blog!!, se quiserem dêem uma vista de olhos aqui)


Nome: Diana Domingues
Curso: Gestão
Faculdade: Faculdade de Economia do Porto
Ano: 3ºano

O que é que te levou a escolher este curso?
Foi mesmo por exclusão de partes, sabia que odiava qualquer tipo de curso relacionado com saúde ou direito. Na realidade, na altura da minha candidatura o curso que mais puxava o meu interesse era desporto, mas muito pela influencia dos meus pais acabei por não escolher essa área. Como sempre gostei imenso de matemática e tinha jeito para números, resolvi seguir o exemplo de uma prima minha e candidatar-me para Economia em primeiro e Gestão em segundo. O meu objetivo principal era entrar no Porto, uma vez que já tinha apartamento lá e ia viver com o meu irmão. Acabei então por entrar na minha 2ª opção: Gestão na FEP.


Quais foram as principais dificuldades que enfrentaste até agora, a nível académico?
Aprender a gostar do curso é algo que ainda não consegui fazer. Simplesmente não é aquilo que me vejo a fazer toda a minha vida.
Manter a matéria em dia é extremamente difícil para mim, uma vez que com 7 cadeiras por semestre torna-se super intensivo o estudo e como é obvio tem que ser dada mais atenção a umas cadeiras do que a outras o que pode fazer com que nos esqueçamos de definir prioridades.


O que achas dos métodos de avaliação/rácio teoria-prática do curso?
Há disciplinas que a avaliação é feita apenas à base de trabalhos de grupo. No entanto, a maioria das cadeiras é avaliada com frequências ao longo do ano ou exame final. Penso que é mais fácil a avaliação por trabalho, sem duvida alguma e que, pessoalmente aprendo muito mais ao fazer o trabalho do que quando estou a estudar para uma frequência. No entanto, as frequências vêm facilitar bastante a nossa vida uma vez que a matéria fica distribuída.


Na tua opinião, qual o perfil que alguém deve ter para ser bem sucedido neste curso?
Sem duvida alguma que tens de ser trabalhador e saber dividir o teu tempo, especialmente se tiveres atividades extracurriculares. Eu, por exemplo, estes 2 anos tive de conciliar as aulas, os estudos e os treinos de voleibol 4 vezes por semana, o que não foi pêra fácil.
Não precisas de gostar do curso, mas convém, especialmente se quiseres sair de lá com uma média razoável.


Estás a arrependida de teres escolhido este curso?
Não estou arrependida de ter escolhido este curso, estou arrependida de não ter escolhido outro. Aliás, acho que com 17/18 anos somos muito novos para decidir sequer o que vamos fazer para o resto da nossa vida, por isso, na minha opinião os jovens deviam ter uma ano sem qualquer experiência académica para experimentar, aventurar-se e decidir aquilo que os motiva.
Sei que não me posso arrepender de estar neste curso porque é sempre um benefício tanto na minha vida profissional como na minha vida pessoal, e embora não me veja a fazer isto no futuro, quem sabe, posso a vir mudar de ideias. E vamos lá ser sinceros, a gestão pode ser usada em múltiplas áreas. Enfim, pensem bem antes de escolher e não se guiem pelas influencias dos pais ou familiares, é a vossa vida que está em jogo e não a deles.




EDIÇÕES ANTERIORES

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Summer 2017 Bucket List | Uma Colher de Arroz

Sempre achei imensa piada a este tipo de posts: uma lista com todas as ideias e plano que temos para o verão que se avizinha. Bem sei que (quase) nunca se chegam a concretizar TODOS OS PLANOS que escrevemos mas é sempre divertido pensar naquilo que gostaríamos de fazer até setembro.

Como este ano não é exceção trago-vos a minha bucket list para o verão de 2017: fui um pouco otimista em alguns pontos mas bastante realista noutros. Espero que, quando as aulas chegarem, tenha pelo menos riscado metade dos pontos desta lista.

- Ver a nova temporada de GoT e comentar todos os episódios com alguém
- Passar uma semana com as amigas da terrinha na Invicta
- Ir à loja vintage "Triciculo" (fica nos Aliados, mesmo ao lado no Hard Rock)
- Comprar um insuflável instagram worthy para a piscina
- Ir a lagoas, barragens e cascatas
-Combinar uma saída com os amigos da faculdade
- Ir ao NOS ALIVE
- Continuar a atualizar o blog regularmente
- Sleepover em minha casa
- Sessões fotográficas
- Ler pelo menos dois livros (eu sei que é muito pouco ambicioso da minha parte)
- Ir a um parque aquático
- Fazer uma cápsula do tempo
- Experimentar sushi
- Tentar voltar a andar de patins
- Fazer um escape game com amigos
- Ir à Noite Branca em Braga
- (...)
To be continued


Quais são os vossos planos para o verão? Contem me tudoooo nos comentários


Edições dos anos Anteriores


quarta-feira, 19 de julho de 2017

QUE CURSO ESCOLHER? | #3 CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

Nova edição da rubrica "Que curso escolher?". Desta vez a minha amiga Inês vem partilhar com vocês a sua experiência no curso de ciências farmacêuticas. Espero que estejam a gostar da rubrica! :)



Nome: Inês Penedones
Curso: Ciências Farmacêuticas
Faculdade: Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra
Ano: 1º ano 


-  O que é que te levou a escolher este curso?
A resposta é fácil! Adoro tanto química como biologia por isso estava ‘destinada’ a escolher um curso relacionado com saúde! E este é o curso ideal que relaciona ambas as disciplinas.
Além disso a minha irmã tirou um curso muito parecido a ciências farmacêuticas, com praticamente as mesmas saídas profissionais e isso fez crescer em mim o bichinho do medicamento e tudo o que está relacionado com ele!


-  Descreve o curso e a sua essência num parágrafo. Quais são as áreas que mais aborda?
Essência deste curso? Uma palavra: química! Pelo menos no primeiro ano, mas, por partilha de informação dos meus colegas mais velhos, o curso vai se tornando mais específico e cada vez mais focado no que ‘importa’ para as nossas saídas profissionais.
E quais são estas saídas profissionais? Podemos arranjar trabalho em tudo que é relacionado com o medicamento, desde a investigação do princípio ativo (nome fancy dos medicamentos) até à venda do mesmo! Pode parecer pouco para quem não conhece o nosso “universo de trabalho” mas existem muitos passos para pôr um medicamento no mercado!


- Quais foram as principais dificuldades que enfrentaste até agora, a nível académico?
Como caloirinha a adaptação ao ritmo e dificuldade da faculdade não foi nada fácil!
No primeiro ano, por norma, as cadeiras dão-nos as bases dos conhecimentos que temos de levar connosco para o resto do curso, o que torna muitas dessas cadeiras aborrecidas ou mesmo desnecessárias (ao nosso parecer). Por exemplo, no primeiro semestre tive historia da farmácia: ok era interessante, mas sendo eu uma aluna de ciências que nunca gostou muito de historia, fazer a cadeira tanto foi difícil como muito entediante!
Mas claro houve cadeiras que me fizeram acreditar que estou no curso certo! Sobretudo aquelas relacionadas com química e biologia. Histiologia (estudo dos tecidos), botânica, química orgânica, química inorgânica, química analítica….Apesar de gostar não tornou mais fácil fazer essas cadeiras!!


- O que achas dos métodos de avaliação/rácio teoria-prática do curso?
Neste curso a maior parte das cadeiras são avaliadas somente por exame, o que faz com se acumule a matéria de um semestre inteiro num exame apenas.
Temos muitas avaliações práticas que podem ser feitas juntamente com o exame escrito ou durante o semestre. Pessoalmente preferia ter um sistema de frequências pelas razões óbvias mas há casos em que não podemos fazer mesmo nada quanto a isso. 

- Na tua opinião, qual o perfil que alguém deve ter para ser bem sucedido neste curso?
Acho que é preciso sobretudo ter uma boa capacidade de memória e uma boa rotina de estudo! Existem muitas fórmulas/propriedades para decorar e processos complexos que precisamos de saber bem. Para mim é uma dificuldade porque como nunca fui muito de decorar, tenho que perceber como funciona e depois sim, interiorizo! E uma rotina de estudo porque durante o semestre temos que fazer trabalhos, avaliações laboratoriais ou até mesmo um caderno laboratorial!


- Estás arrependida de teres escolhido este curso?
Não, de maneira nenhuma! Apesar das dificuldades e de um pouco de desinteresse que encontrei nas cadeiras do primeiro ano sei que são ambas coisas temporárias! Houve cadeiras que gostei, por exemplo, as químicas, botânica e histologia e sabendo que são essas as cadeiras que constituem a base do curso não posso dizer que me arrependo!

domingo, 16 de julho de 2017

SUMMER HAUL SALDOS!! | OYSHO, NIKE, ASICS


Finalmente um haul!! - já não me lembro da última vez que fiz um...
Hoje trago vos as comprinhas que fiz quando fui à Oysho - tem roupa de praia tão linda mais fiquei um bocado desiludida com os fatos de banhos, parece tudo mais do mesmo... - e dois pares de sapatilhas que já estava a precisar à algum tempo. 
Já comecei a aproveitar os saldos mas ainda não fiz nenhuma compra wow nem encontrei grandes descontos por isso, pelo menos por enquanto, ando desiludida com os saldos.
Enjoy!!












Gostaram das "mini" comprinhas detse mês? O que está no topo da vossa wishlist para Julho?

sábado, 15 de julho de 2017

QUE CURSO ESCOLHER? | #2 DIREITO

Bem vindos à segunda edição da rubrica "QUE CURSO ESCOLHER". Para quem ainda não está familiarizado com o assunto, explico tudo neste post.
Hoje, e pela primeira vez no meu blog, passo a emissão a outra pessoa, neste caso uma amiga minha que está a estudar direito.
Espero que gostem! Qualquer dúvida deixem nos comentários que eu as farei chegar até ela.


Nome: Ana Calejo
Curso: Direito
Faculdade: Faculdade de Direito da Universidade Católica do Porto
Ano: 1º ano (terminado)


-  O que é que te levou a escolher este curso?
Durante o secundário, (como aluna de Línguas e Humanidades) as opções que me surgiram na cabeça como possíveis cursos aos quais me iria candidatar eram Direito ou Línguas e Relações Internacionais (que existe apenas na FLUP) porque sempre tive um “bichinho” que gosta de aprender como a sociedade e o Governo funcionam e desde que me lembro que adoro aprender línguas estrangeiras, viajar e conhecer novos lugares. Contudo, antes de decidir que curso iria escolher, fui preocupando-me, ao longo dos 3 anos, em ter uma boa média para que, no final do 12º ano, pudesse escolher um curso à vontade sem restrições. Relativamente ao curso, fui falando com pessoas amigas, mais velhas, e com certa experiência e aconselharam-me Direito: salientando a ideia de que as saídas deste curso não eram só advocacia e magistratura, mas também saídas profissionais ligadas ao mercado de trabalho internacional como diplomacia. Concluí que, se seguisse o curso de Direito conseguiria estudar leis, o ordenamento jurídico, mas se quisesse, também conseguiria a parte de “relações internacionais”.


- Quais foram as principais dificuldades que enfrentaste até agora, a nível académico?
A exigência e o rigor da faculdade, sem dúvida. O rigor da faculdade é demasiado diferente do rigor do secundário, e ainda bem que assim é: por alguma razão se chama “ensino superior”: estamos numa etapa superior à do secundário, não podemos esperar que o nível de exigência seja igual. Parte-se do pressuposto que estaremos a licenciar-nos numa área que vai ser o nosso futuro, o nosso emprego, e temos de ser bons profissionais. Senti que, ao longo deste primeiro ano, o rigor vai crescendo à medida que o nosso tempo de faculdade passa. Só em dois semestres consegui notar que, por exemplo, o segundo semestre foi muito mais exigente e mais trabalhoso do que o primeiro, e que o terceiro irá ser ainda mais do que foi o segundo, e assim sucessivamente. É exaustivo e nota-se uma grande mudança, mas faz parte do objetivo de nos tornarem melhores profissionais, no futuro.
Sabatinas: As terríveis sabatinas. Na minha faculdade, quem fizer parte da avaliação contínua (que é opcional) sujeita-se a sabatinas e a testes ao longo do semestre mais o exame no final do semestre, (depende das cadeiras, mas a maior parte tem sabatinas). São interrogatórios orais nas aulas que o professor faz individualmente sobre a matéria lecionada nessa cadeira. É um momento (muito) stressante, pelo menos para mim porque prefiro testes escritos para ter o meu tempo para raciocinar e tentar responder (bem), o que não acontece muito nas sabatinas, porque sente-se uma certa pressão de se responder rápido, pois se não dermos logo a resposta damos a entender que não sabemos a matéria, o que nem sempre é assim. Existe este regime de sabatinas com o objetivo de nos prepararem, mais uma vez, para o futuro, quando tivermos de defender alguém em tribunal, por exemplo.


- O que achas dos métodos de avaliação/rácio teoria-prática do curso?
A minha faculdade deixa-nos optar por um dos seguintes métodos de avaliação:
1.      Exame final à cadeira (e ficamos com a nota do exame)
2.      Avaliação contínua (testes + sabatinas+ trabalhos) + exame final. Nesta hipótese a nota da avaliação contínua só conta se for superior à nota do exame, porque se for inferior conta a do exame.
Ora, como viram o exame final é obrigatório, quer se esteja em avaliação contínua ou não. Eu, até agora, optei sempre por avaliação contínua + exame pois saberia que não iria acumular matéria e quando chegasse a altura dos exames sentir-me-ia mais preparada. É mais desgastante porque andamos atarefados o semestre todo, quase sem conseguir respirar, mas na época de exames percebo que é uma ótima escolha e que vale a pena o esforço, sem dúvida.


- Na tua opinião, qual o perfil que alguém deve ter para ser bem-sucedido neste curso?
Na minha opinião, para se ser estudante de Direito, deve ser-se rigoroso com o que se diz e com o que se escreve. Pensar sempre no que se vai dizer, e pensar se não haverá um argumento ou opinião melhor que possa refutar o nosso. Estar sempre disposto a ouvir críticas dos professores para poder melhorar o nosso aproveitamento e desempenho. Aconselho, também, a presença no máximo número de aulas possível, visto que são teórico-práticas (na minha faculdade) e que os professores tentam resolver casos práticos na aula, depois de terem explicado a teoria, o que é bom, pois os testes e exames são 90% de casos práticos para (adivinhem) nos prepararem para o futuro; e também a avaliação contínua para manterem o estudo em dia.


- Estás arrependida de teres escolhido este curso?
Não! Não mesmo! Cada dia que passa estou cada vez mais certa do curso e instituição que escolhi. Fui para a Católica por opção, e por me terem aconselhado visto que os docentes estão sempre dispostos a ajudar-nos, e a UCP dispõe de programas ao longo da licenciatura que, no final do curso, se tornam prescindíveis no momento da candidatura no mercado laboral. O curso tem muita teoria, como é óbvio, mas tem a sua parte prática, o que é bom, porque conseguimos aplicar a teoria e interligar matéria com o quotidiano e pensar numa solução para casos com os quais nos podemos deparar no dia-a-dia, o que me fascina imenso.



O que acharam deste post? Alguém interessado em direito?

quinta-feira, 13 de julho de 2017

RED NIGHT DRESS MOOD| Rosegal Wishlist

Têm um jantar com todas as vossas amigas marcado e uma saída a seguir. A noite promete. Entraram em RED NIGHT DRESS MOOD (you can dress green, dress black or even gold, you get the idea).
Estão naquele mood matador: "vou entrar e fazer mover cabeças". You know what I mean right?
Para mim nada grita melhor "cheguei e estou aqui para arrasar!" que um vestido vermelho.

Deixo-vos com uma sugestão de um outfit que usaria numa destas "ocasiões" especiais:


earings | crossbody | sale

Um vestido vermelho que fique bem no vosso "tipo de corpo" e que esteja de acordo com o vosso estilo pode fazer maravilhas. Como o vestido já é um statement por si só, optei por acessórios nude (sapatos e brincos) e dei um pouco de destaque à mala (não é super linda?). Para finalizar optei por um batom vermelho escuro, numa tentativa de chamar a minha inner Taylor Swift.
Gostei muito do resultado final porque ficou elegante e simples mas ao mesmo tempo consegui expressar o meu estilo através dele.

Gostaram? Qual é o vosso outfit ideal quando entram em RED NIGHT DRESS MOOD?
© Uma colher de arroz
Maira Gall