quarta-feira, 25 de maio de 2016

A NOSTALGIA DO FIM DO SECUNDÁRIO


Tenho me apercebido que uma grande parte das minhas leitoras são meninas que já estão na faculdade por isso acho que a maioria de vocês já passou por isto. 
O fim do secundário. Pensei que este dia nunca iria chegar. Sempre pensei no décimo segundo como um ano muito, muito longe e entrar para a faculdade era algo que me parecia surreal. 
Mas de repente, falta uma semana e meia para acabarem as aulas, menos de um mês para os exames e sensivelmente 60 dias para fazer a minha candidatura. Tornou-se tudo demasiado.
Hoje houve uma feira de profissões na minha escola, o que é uma oportunidade excelente para esclarecermos algumas duvidas e ajudar os indecisos (EU!!!) a facilitar as suas escolhas. Fizeram-me a pergunta: "então, já sabes para o que queres ir?" mais vezes do que aquelas que posso contar e de todas as vezes, dava me um aperto no coração. Não ter um objetivo definido e andar atrás do "nada" deixa-me agitada e insegura.
Ao lado da minha indecisão junta-se a nostalgia de fechar um ciclo. Dizer adeus ao sítio onde fui mais feliz e despedir-me de todas as pessoas que, durante três anos, fizeram parte do meu dia a dia. É difícil. Está a ser difícil, muito mais daquilo que eu imaginei. Eu olho para o primeiro ano de faculdade como sendo um bicho de sete cabeças que me vai arrastar para um buraco de depressão e stress, local que não tenho saudades de visitar. Eu sei que todas as pessoas têm experiências diferentes e que, se calhar, vou adorar, mas o desconhecido assusta-me. E vai continuar a assustar-me até Setembro. 
Mas eu sou uma pessoa que gosta de ser feliz e gosta de fazer listas, por isso, achei que o mais apropriado era fazer uma lista de "coisas positivas" para ficar entusiasmada para o futuro. Ele virá e eu cá estarei para lhe mostrar que não me assusta assim tanto:

- ir viver para o Porto, cidade que sempre me fascinou;
- um verão inteiro pela frente para aproveitar ao máximo;
- a possibilidade de partilhar casa com a minha melhor amiga;
- encontrar,hopefully, um curso pelo qual me apaixone;
- ter mil e uma hipóteses culturais semanalmente;
- poder escolher entre comer indiano, chinês, vegan, italiano, tudo na mesma rua;
- conhecer imensa gente nova e esperar que me identifique com parte dela.

Eu sei que não vai ser fácil, mas também sei que não posso deixar que este "medo" tome controlo da minha vida.
© Uma colher de arroz
Maira Gall