sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

My secret best friend

Não sei quanto a vocês mas há coisas que eu não conto a ninguém. Acho que todos somos um pouco assim, uns mais, outros menos, mas toda a gente tem pelo menos um capitulo da sua vida que não gosta de ler em voz alta. 
Além de ser normal, acho que devemos a nós próprios esta "privacidade", esta segurança em saber que certas coisas ficarão connosco para sempre.
Por outro lado, também há aquelas coisas que, quando nos acontecem, vamos logo comentar com os amigos e pedir opiniões à mãe; coisas que, de uma maneira ou de outra, tiveram uma especial importância naquele dia.
Qualquer que seja a situação, uma das melhores maneiras de lidar com os sentimentos é escrever sobre eles. Um dia li "I only write when i'm falling in love or falling a part" e isto não podia ser mais verdade. Apesar de tentar escrever sobre tudo, tentar pôr no papel aqueles "pensamentos de chuveiro" que tenho de vez em quando, a verdade é que tenho uma especial necessidade em "despejar"  a minha vida quando me sinto sentimentalmente mais vunerável.
Este floreado todo para chegar à seguinte conclusão: escrever ajuda e muito; quem o faz regularmente pode ajudar-me e concordar comigo. Pôr em palavras aquilo que nos vai na cabeça tem o poder fascinante de nos organizar o pensamento e nos fazer sentir que tudo tem uma solução. Aproveitem o inicio do ano e experimentam (caso ainda não o façam): escrevam um diário e usem no sempre que sentirem essa necessidade. Além de ser libertador vão- se rir com as histórias quando os relerem...


© Uma colher de arroz
Maira Gall