quarta-feira, 19 de julho de 2017

QUE CURSO ESCOLHER? | #3 CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

Nova edição da rubrica "Que curso escolher?". Desta vez a minha amiga Inês vem partilhar com vocês a sua experiência no curso de ciências farmacêuticas. Espero que estejam a gostar da rubrica! :)



Nome: Inês Penedones
Curso: Ciências Farmacêuticas
Faculdade: Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra
Ano: 1º ano 


-  O que é que te levou a escolher este curso?
A resposta é fácil! Adoro tanto química como biologia por isso estava ‘destinada’ a escolher um curso relacionado com saúde! E este é o curso ideal que relaciona ambas as disciplinas.
Além disso a minha irmã tirou um curso muito parecido a ciências farmacêuticas, com praticamente as mesmas saídas profissionais e isso fez crescer em mim o bichinho do medicamento e tudo o que está relacionado com ele!


-  Descreve o curso e a sua essência num parágrafo. Quais são as áreas que mais aborda?
Essência deste curso? Uma palavra: química! Pelo menos no primeiro ano, mas, por partilha de informação dos meus colegas mais velhos, o curso vai se tornando mais específico e cada vez mais focado no que ‘importa’ para as nossas saídas profissionais.
E quais são estas saídas profissionais? Podemos arranjar trabalho em tudo que é relacionado com o medicamento, desde a investigação do princípio ativo (nome fancy dos medicamentos) até à venda do mesmo! Pode parecer pouco para quem não conhece o nosso “universo de trabalho” mas existem muitos passos para pôr um medicamento no mercado!


- Quais foram as principais dificuldades que enfrentaste até agora, a nível académico?
Como caloirinha a adaptação ao ritmo e dificuldade da faculdade não foi nada fácil!
No primeiro ano, por norma, as cadeiras dão-nos as bases dos conhecimentos que temos de levar connosco para o resto do curso, o que torna muitas dessas cadeiras aborrecidas ou mesmo desnecessárias (ao nosso parecer). Por exemplo, no primeiro semestre tive historia da farmácia: ok era interessante, mas sendo eu uma aluna de ciências que nunca gostou muito de historia, fazer a cadeira tanto foi difícil como muito entediante!
Mas claro houve cadeiras que me fizeram acreditar que estou no curso certo! Sobretudo aquelas relacionadas com química e biologia. Histiologia (estudo dos tecidos), botânica, química orgânica, química inorgânica, química analítica….Apesar de gostar não tornou mais fácil fazer essas cadeiras!!


- O que achas dos métodos de avaliação/rácio teoria-prática do curso?
Neste curso a maior parte das cadeiras são avaliadas somente por exame, o que faz com se acumule a matéria de um semestre inteiro num exame apenas.
Temos muitas avaliações práticas que podem ser feitas juntamente com o exame escrito ou durante o semestre. Pessoalmente preferia ter um sistema de frequências pelas razões óbvias mas há casos em que não podemos fazer mesmo nada quanto a isso. 

- Na tua opinião, qual o perfil que alguém deve ter para ser bem sucedido neste curso?
Acho que é preciso sobretudo ter uma boa capacidade de memória e uma boa rotina de estudo! Existem muitas fórmulas/propriedades para decorar e processos complexos que precisamos de saber bem. Para mim é uma dificuldade porque como nunca fui muito de decorar, tenho que perceber como funciona e depois sim, interiorizo! E uma rotina de estudo porque durante o semestre temos que fazer trabalhos, avaliações laboratoriais ou até mesmo um caderno laboratorial!


- Estás arrependida de teres escolhido este curso?
Não, de maneira nenhuma! Apesar das dificuldades e de um pouco de desinteresse que encontrei nas cadeiras do primeiro ano sei que são ambas coisas temporárias! Houve cadeiras que gostei, por exemplo, as químicas, botânica e histologia e sabendo que são essas as cadeiras que constituem a base do curso não posso dizer que me arrependo!
© Uma colher de arroz
Maira Gall