sexta-feira, 29 de abril de 2016

HAPPY INTERNATIONAL DANCE DAY


"A dança consegue revelar tudo o que a música esconde misteriosamente, tendo mais mérito de ser humana e palpável. A dança é poesia com braços e pernas, é a matéria, graciosa e terrível, animada, embelezada pelo movimento". Charles Baudelaire

Hoje, dia 29 de Abril, festeja-se o Dia Internacional da Dança e não podia deixar passar esta data em branco.
A dança só entrou oficialmente na minha vida o ano passado quando me juntei a uma escola que misturava danças de salão, kizomba, hip hop e contemporâneo, mas ela sempre esteve presente, ainda que camuflada.
Lembro-me que, quando era pequenina e apesar de ser super tímida, a minha mãe sempre me disse que "tinha muita genica e que me mexia muito bem". No início achava que dançar era para quem sabia, que ia perder a postur,a por isso retraía me e não conseguia sequer mexer um músculo. 
Os anos passaram e senti a necessidade de fazer alguma coisa que me "enchesse a alma". Canto e representação estavam completamente fora de questão, já tinha experimentado desenho e apesar de ter gostado queria algo com mais ação e interação. O caminho óbvio pareceu ser a dança. 
Só andei lá um ano mas, pensando bem, foi das melhores experiências da minha vida. Durante as 2 horas de ensaio esquecia me de tudo, era só eu, a dança e os malditos passos que tinha de repetir 50 vezes até saírem direitos. O desafio foi conciliar ensaios de 4 horas diárias com tempo para estudar para os exames, dores no corpo, pisaduras nos pés e nas costas, o stress de conseguir saber tudo a tempo do espetáculo. Mas nunca me senti tão viva. A sensação de pisar o palco, ter os holofotes a cegarem-nos a vista e o coração na garganta. Faz-nos sentir poderosas e orgulhosas.
Amanhã vai-se celebrar a dança na minha cidade num espetáculo que junta 4 escolas, convidados especiais e muita gente (assim desejo) à espera de boas atuações. Provavelmente também vai ser a última vez (pelo menos durante uns tempos) em que vou pisar um palco nestas circunstâncias, com fatos com brilhantes, saias esvoaçantes e o cabelo arranjado, pronto para ser todo despenteado 5 segundos depois. Por isso tenciono aproveitar os meus 7 minutos em cima daquele palco da melhor maneira e não vou deixar que nada estrague esse momento.
A dança mudou a minha vida, tornou-me mais confortável com o meu corpo e definitivamente mais feliz e nunca tenciono deixar de dançar, nem que seja em casa, enquanto arrumo o quarto e oiço a "Work". Por isso peço-vos o mesmo a vocês: dancem! Dancem sozinhos, dancem na brincadeira, levem-na sério, dancem em grupo, com a vossa cara metade, como se sentirem mais confortáveis. Mas dancem, porque o mundo vai parecer tão melhor e não há nada mais belo de se ver. 

"Perdido seja para nós aquele dia em que não se dançou nem uma vez!" Nietzsche
© Uma colher de arroz
Maira Gall