segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Querido diário....

Escrever.Um.Diário. Não há melhor sensação do que despejar tudo aquilo que pensei e senti durante um dia numa página branca pronta para receber todas as minhas lamurias e reclamações. Quando era pequena tinha muito o hábito de, à noite, escrever o relato do que tinha acontecido naquele dia. E divertia-me. Gostava daquela pequena reflexão que fazia do que tinha acontecido de positivo e  de negativo, onde contava que um certo rapaz me tinha lançado um olhar durante a aula ou o jogo que eu e as minhas amigas tínhamos inventado. Infelizmente perdi um pouco esse hábito porque, convenhamos, no 3º ano tinha muito mais tempo livre depois do jantar...De vez em quando lá vou escrevendo, mas gostava de o fazer mais vezes.
Sinto-me bem ao expressar os meus sentimentos por palavras e ficar com aquelas paginas para mais tarde recordar. Já dei umas valentes gargalhadas a ler os meus antigos diários e é quase como um tesouro não é? Poder ler os pensamentos do "antigo eu", saber o que estávamos a sentir no dia 10 de Outubro de 2007, como pensávamos na altura.... Mas mais que uma coisa para recordar, acho que um diário é algo do presente que serve para nos ajudar aqui e agora.


© Uma colher de arroz
Maira Gall