quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Chega de te olhares ao espelho

Vou ser muito sincera com vocês: eu preocupo-me muito com a minha aparência física e sei disso; sou uma pessoa demasiado perfecionista e impaciente para ter defeitos e não poder fazer nada para os alterar. Mas isso já me custou muito caro. Quando comecei a minha "fase mega complicada e cheia de emoções, também conhecida como puberdade" não compreendia o meu corpo e comecei a dar mais importância ao meu aspecto e àquilo que os outros pensavam de mim. Fiquei de tal maneira obcecada com tentar "corrigir" todos os meus "defeitos" que já não pensava literalmente em mais nada. Resultado: arranjei uma depressão e muitos outros problemas associados cujas repercussões ainda hoje as sinto. Foram tempos negros mas fizeram-me perceber uma coisa: por muito que me esforce para tentar ser mais bonita, ou mais magra ou mais divertida, vai haver sempre alguma coisa com a qual não estou contente e não vou poder fazer grande coisa para mudá-la. A resposta a este dilema é tão simples que chega a ser ridícula: tenho de me aceitar como sou e nunca me comprar com outra pessoa. Aceitar as minhas falhas e abraçar as minhas virtudes. Dito assim até parece fácil, até se ouve nos anúncios de televisão, mas é muito mais rápido deitarmos-nos abaixo do que ficarmos positivas.
Por isso queria fazer um apelo a toda a gente que está a passar ou já passou por esta situação: chega de espelhos. Chega de passar horas a analisar cada centímetro do corpo à procura de "sinais de fracasso", chega de assumir que só há um tipo de beleza, chega de comparar coisas incomparáveis, chega de te olhares ao espelho e sentires um nó no estômago porque te sentes feia. Comecem à aceitar os vossos defeitos, a rirem-se deles, a conviverem com eles, a gostarem deles e vão ver como tudo é mais fácil. A vida é para ser vivida na sua plenitude e, acreditem em mim quando vos digo que não é pelo vosso aspeto que vão ser mais felizes.
E, por favor, sejam felizes.


© Uma colher de arroz
Maira Gall