quarta-feira, 12 de julho de 2017

QUE CURSO ESCOLHER? | #1 ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL

Aqui estamos nós para a primeira edição da rúbrica "Que curso escolher?"
Como prometido o primeiro curso que vos venho falar é o meu: ENGENHARIA E GESTÃO INDUSTRIAL.

Curso: Engenharia e Gestão Industrial

Faculdade: Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Nome: Ivânia Barbosa

Ano: 1º ano


-  O que é que te levou a escolher este curso?
Fui por uma estratégia de rejeição: sabia que nunca iria para medicina ou nada relacionado com saúde, também sabia que investigação não era para mim e biologia não era o meu forte. Quanto a matemáticas e economias, apesar de achar interessante, achava uma área demasiado restrita e saturante. Posto isto, e porque tinha escolhido Ciências e Tecnologias no Secundário, só me restavam as engenharias. Dentro as minhas opções, não queria nada muito especifico nem demasiado técnico por isso Gestão Industrial surgiu como a combinação perfeita entre gerir pessoas e empresas com a parte técnica e teórica de uma engenharia (sem ser demasiado aprofundado) que tanto me fascina.


-  Descreve o curso e a sua essência num parágrafo. Quais são as áreas que mais aborda?
Em duas palavras: eficácia e produtividade. O meu curso tem como base a engenharia mecânica que se alinha com conhecimentos de gestão. Para quê, perguntam vocês? Os engenheiros industriais têm como função melhorar o funcionamento de uma empresa, rentabilizar os processos produtivos de uma fábrica, criar estratégias e ideias para diminuir os gastos e aumentar os lucros. Basicamente, pegar num projeto, ver as falhas e tentar geri-lo de modo a aumentar a sua produtividade o máximo possível.
Para que isto aconteça temos de ter conhecimentos de como as máquinas e os processos fabris funcionam e, por outro lado, uma visão de como gerir os orçamentos e o pessoal da empresa (por exemplo)


- Quais foram as principais dificuldades que enfrentaste até agora, a nível académico?
Até agora tenho-me dado muito bem no curso e não posso dizer que tenha enfrentado nenhuma dificuldade a sério, no entanto, existem algumas "pedras" que me bloquearam o caminho.
Em primeiro lugar, a matemática. Eu, que gosto de matemática, tive algumas dificuldades até entrar no ritmo. Engenharia que é engenharia tem muita matemática e programação (principalmente nos primeiros anos) por isso, se não te sentes nada à vontade com alguma delas, este não é o curso para ti. 
Trabalhos de grupo: já é algo comum na universidade mas, especificamente no meu curso, tudo se faz em equipa. Não é como se nós pudéssemos trabalhar sozinhos e depois mostrar os resultados da nossa pesquisa. Todos os passos passam por imensa gente, por isso, é imperativo que saibam trabalhar em conjunto e consigam arranjar soluções rápidas e eficazes como equipa.
Apresentações orais: felizmente, ainda não tive que fazer nenhuma, mas sei que nos próximos anos é o pão nosso de cada dia. Este curso também se relaciona um pouco com a venda de imagem, a arte de convencer que a nossa proposta é a melhor e a que traz mais benefícios para a empresa. Temos de saber falar e falar bem, por isso apresentações orais vão ser um constante obstáculo a enfrentar.


- O que achas dos métodos de avaliação/rácio teoria-prática do curso?
A minha avaliação é distribuída, ou seja, duas frequências por semestre, com a possibilidade de fazer recurso/melhoria no final. Isto é ótimo pois não acumulamos tanta matéria num espaço de tempo reduzido (cuidado que isto pode não acontecer em todas as cadeiras). Avaliações práticas só tenho em cadeiras de laboratório mas o mais comum é os professores avaliarem a parte prática através de trabalhos (de grupo ou individuais). 
Gosto muito mais da parte prática e tenho alguma dificuldade na parte teórica porque muita vezes não passa de decorar teoremas ou códigos, mas em geral consigo desenrascar me.


- Na tua opinião, qual o perfil que alguém deve ter para ser bem sucedido neste curso?
Na minha opinião, um engenheiro industrial deve ser alguém proativo, responsável, criativo, bom e rápido a solucionar problemas, deve ter iniciativa e perseverança. Deve também ter curiosidade do "como" e do "porque" e nunca estar satisfeito. Também deve ser alguém firme, de carácter forte e decidido pois muitas das suas decisões têm por base elevadas quantidades de dinheiro e de empregos. 
Antes de tudo, deve ser alguém que quer sempre melhorar, tanto o projeto que lhe foi entregue, como a si próprio, para que esteja sempre a par das novidades.



- Estas arrependida de teres escolhido este curso?
Não, de todo! Não me consigo imaginar noutro curso e sei que esta foi a escolha certa para mim. Acho que uma boa maneira de verem se estão felizes num determinado curso é perguntarem-se a vocês mesmos "Estou entusiasmada para o futuro, com todos os desafios que se aproximam?" e eu não podia estar mais!


O que acharam do post? Alguém por aí interessado no meu curso?
Fiquem atentos às próximas edições :P

© Uma colher de arroz
Maira Gall